Visualizações

29 de jun de 2013

Capítulo Dezoito!

Alguns dias depois...
-Eu acho que você já podia levantar- ela sorriu, se aproximando da cama.
-E eu acho que você podia vestir sempre as minhas blusas- ele sentou-se e puxou-a pelas mãos.
Demi sentou-se no colo do menino, uma perna para cada lado e as mãos entrelaçadas.
-Eu já até preparei o café, você é preguiçoso demais.
-Porque não fica aqui comigo em vez de reclamar?- sugeriu. Segurou-a pela cintura e logo estavam rindo, caídos juntos na cama.
-Acho que eu posso pensar na sua oferta- deitou a cabeça no peito dele, sentindo-o abraçando-a pela cintura.
O menino sorriu junto a ela e beijou seu rosto diversas vezes.
-Eu falei com a minha mãe- ela disse- Já fazem quase três meses, estamos entrando de férias, ela quer que eu vá até lá, fazer uma visita.
-Posso ir com você se quiser- ele ofereceu- Sente muita falta dela, não é?
-Bastante- confessou- Mas eu acho que consigo sobreviver mais alguns dias- virou-se para ele, forçando um sorriso.
Joe segurou-a pela nuca e lhe deu um beijo calmo. Desde o final de semana que passaram na casa dos pais dele, o menino havia cumprido o que dissera. Havia feito com que Demi aproveitasse cada beijo e sentisse cada vez mais fortemente a intensidade de tudo aquilo. Mas agora ela sentia o carinho por trás de todo o desejo.
Ela tentava parecer calma, mas por dentro estava uma pilha. Não havia conseguido (apesar de ter tentado diversas vezes) contar à Joe sobre Caty. Ela decidira que seria melhor, claro, se ele soubesse antes, mas não se permitiu estragar tudo. O namoro ia de bem a melhor e cada segundo ao lado dele fazia com que sua cabeça transbordasse de preocupação. Não poderia perde-lo, mas nesse momento, não via outra solução. Além de pensar por alguns momentos que Joe poderia achar desleal da parte dela ter feito o que fez com a melhor amiga (e ela concordaria, foi sim desleal), ela sabia que quando Caty aparecesse bem na frente deles, não teria mais como esconder o segredo. E isso aconteceria amanhã.
-Ei, eu estava pensando aqui...- ele disse, acariciando o rosto dela que estava a centímetros do seu- Hoje é o nosso último dia de... paz- Joe fez uma careta- Se você aceitar... eu queria fazer um jantar especial.
-Amei a ideia- ela sorriu sincera e juntou seus lábios.
O menino rapidamente aprofundou o beijo, segurando na cintura de Demi. Ficou por cima dela, sustentando seu peso em seus braços. Desceu alguns beijos pelo pescoço dela quando a menina soltou um riso abafado, apoiando suas mãos no peito dele.
-Hoje a noite- ela sussurrou.
Joe riu balançando a cabeça em reprovação e beijou-lhe a bochecha com carinho. Ele podia esperar mais algumas horas.
-Isso não quer dizer que eu vá deixar você sair daqui- ele avisou, aproximando seu corpo do dela e encarando-a com uma expressão fofa.
-E quem disse que eu quero?- ela perguntou- Só estou morrendo de fome.
-Só vou porque quero você viva hoje à noite- ele brincou, levantando-se estendendo a mão para que a menina a segurasse.
Os dois pararam no meio do quarto e o menino abraçou-a. Beijou-lhe carinhosamente os cabelos e ao juntar seus lábios, desceu uma de suas mãos pelas costas dela até...
-Tira a mão boba- ela gargalhou em meio ao beijo, puxando o braço de Joe e lhe dando um tapa no peito- Idiota.
-Eu te amo- ele riu.
-Também te amo- a menina deu-lhe um selinho e caminhou sorrindo até a porta.
Joe foi até o pufe pegar sua camisa que estava jogada e logo após colocá-la, apressou-se para chegar até Demi e dar-lhe um tapa no traseiro. Ela riu e ele a abraçou por trás, seguindo-a até a cozinha, onde o café os esperava prontinho.

~~~~*~~~*~~~~*~~~*~~~~

Demi aproveitou a saída de Joe para escolher uma roupa e preparar tudo para a noite. Na verdade, a única coisa que ela precisava preparar era sua mente. Preparo psicológico. Estava cada vez mais difícil evitar aquele desejo que sentia. Estava mais forte a cada dia, ainda mais depois das liberdades tomadas entre Joe e ela. Dormindo juntos, mesmo que nada estivesse acontecendo. Não ainda, porque ela não deixaria passar de hoje.
Experimentou alguns vestidos, mas mal conseguia se olhar no espelho. Ao encarar sua imagem, via algo falso, manipulador. Sabia que isso era tudo fruto de sua cabeça que estava a mil, mas não conseguia se acalmar. Depois de alguns minutos ela desistiu. Sentou-se na cama e segurou seu celular. Era muito pouco o que a impedia de contar a verdade à Caty. Bastava apertar uma tecla e a ligação seria feita. Porém por mais uma vez, ela não conseguiu. Seus olhos encheram-se de lágrimas e ela desatou a chorar, sem saber mais o que fazer ou como reagir à toda aquela situação. Era demais para ela.
-Demi- Joe chamou, quando já estava na porta do quarto- O que aconteceu com você?- perguntou, se aproximando com calma.
A menina virou-se rapidamente para ele e suspirou. Deixou que um “droga” escapasse de sua boca e enxugou os olhos com rapidez. Não queria que Joe a visse desse jeito. Ela não tinha mais explicações a dar, além da verdade.
-Eu... achei que você demoraria mais- ela sussurrou, encarando a janela.
-E assim você poderia chorar o quanto quisesse e ainda teria tempo de colocar uma maquiagem e um sorriso pra esconder de mim?- o menino ajoelhou-se bem na sua frente- Por favor, não me diz que não é nada.
-Cansou de ouvir sempre a mesma coisa?- ela forçou um sorriso.
-Cansei de não ter uma resposta. De te ver chorando e não poder ajudar. E ainda sentir que, de algum jeito e por algum motivo, é culpa minha.
-Existem coisas que eu gostaria de poder te falar- sussurrou, sincera.
-E você pode. Você pode me contar o que você quiser- disse- Demi, faz bastante tempo desde que você chegou aqui. Eu achei que você confiasse em mim, além disso, muita coisa já aconteceu. A gente ta namorando a quase um mês e você não se sente segura pra me contar o porquê dessas lágrimas?
-Eu...- ela tentou respirar fundo para prender o choro, mas não funcionou- Não posso mais continuar com isso, Joe- ela disse séria, deixando que as lágrimas caíssem.
-Continuar com o que?
-Com nós dois- ela disse certa- Não é certo, nada do que aconteceu até hoje foi certo, não foi justo. Eu fui egoísta e eu só pensei em mim mesma. Desde o começo eu ignorei muita coisa pra isso aqui dar certo, mas agora eu cheguei ao meu limite. Eu não consigo mais fingir que está tudo bem. Muito menos agora que a gente começou a namorar.
-Como assim, Demi? Você quer terminar?- ele questionou, sem saber muito bem o que fazer. Ela não assentiu, não queria terminar com ele, mas também não negou. Apenas apertou os olhos e abaixou a cabeça- Você pode por favor me explicar?- pediu, aumentando o tom de voz. Aquilo não deveria virar uma briga, mas eram precisos muitos esclarecimentos.
-Eu traí a confiança de uma pessoa que é muito importante pra mim. Eu deixei tudo de lado pra viver uma história com você. O problema é que eu sabia muito bem que desde o começo deveria ter procurado distância. Eu devia ter sido aquela garota grossa e estúpida o tempo todo- ela gritou, tentando se livrar de tudo aquilo.
-De quem você está falando? Porque distância, Demi?- perguntou- Você pode me responder?- ele gritou- O que te fez sentir isso tudo?
-A Caty- a menina disse- A minha melhor amiga é completamente apaixonada por você- gritou, sem conseguir encará-lo- E o que eu fiz? Eu aceitei tudo que você tentou.
-A Caty?- o menino sussurrou confuso, surpreso- Apaixonada por mim?
-Ela te ama, Joe. Eu não sei como você nunca percebeu, mas eu nunca vi alguém amar tanto uma pessoa. Ela faria qualquer coisa por você. Ela te merece, não eu.
-E você, Demi?- ele questionou, mais calmo, se aproximando dela novamente- Você faria qualquer coisa por mim?
Ela correu para perto dele, encaixando-se perfeitamente em seus braços. Deixou que as lágrimas descessem por sua camisa e sentiu os braços dele a confortando enquanto ela apenas assentia. Sim, faria o que precisasse por ele- Eu te amo- ela disse entre os soluços desesperadores que quebravam o coração dele- Eu não sei o que fazer- confessou.
-Para de chorar, por favor- ele pediu, afastando-se dela- Eu já sei o que eu preciso saber, agora a gente pode conversar com calma?- perguntou.
-Podemos.
Joe enxugou algumas das lágrimas dela e segurou sua mão, trazendo-a para sentar-se na cama.
-É isso tudo o que você tem pra me falar?
-Sim, é tudo- afirmou.
-Demi... eu sinceramente nunca percebi o que a Caty  sentia, mas eu te juro que se soubesse, eu não faria nada diferente de agora. Eu não vejo a Caty como eu te vejo ou vejo algumas outras garotas. Eu a amo, mas são coisas diferentes, é um amor diferente. Ela é minha melhor amiga, mas só. Não tem como eu fingir que sinto algo por ela, ninguém pode me obrigar a fazer isso, a sentir essa paixão por ela. Eu sinto isso por você. E é o que eu quero continuar sentindo.
-Mas eu traí ela, Joe. Eu sabia desde muito tempo, vim morar aqui e ela confiou em mim, ela não sentiu ciúmes porque ela sabia que eu não seria capaz... disso que eu acabei fazendo. Eu cometi um erro enorme- ela disse, engolindo o choro.
-Você nunca comece um erro quando se apaixona, Demi. Você não é errada por isso, é uma decisão do seu coração. Não é você quem escolhe, infelizmente. Eu me apaixonei por você e eu te amo, muito, e é algo muito diferente do que eu sinto pela Caty- ele respirou fundo- O que você sente por mim, Demi?
-Eu não quero terminar com você, Joe- ela disse, enquanto algumas lágrimas solitárias escapavam- Eu te amo muito, e eu também me apaixonei. Mas é impossível pra mim viver com essa ideia na cabeça.
-Eu entendo- ele garantiu- Mas... ok, você sabia sobre o que a Caty sentia, mas não conseguiu evitar o que aconteceu. Eu percebi, Demi, eu percebi como às vezes você tentava me evitar e evitar isso. Você tentou do jeito que pôde e você sofreu por isso. Você acha que a Caty ia querer te ver chorando assim?
-E você acha que eu gosto de ver ela chorando?
-O que eu quero que você entenda é que não tem como mudar isso. Demi... eu vou tentar ser bem direto- alertou- Se era para acontecer, ia acabar acontecendo de qualquer jeito. Faz tempo que eu gosto de você e eu confesso que ia tentar até conseguir. Eu não ia desistir fácil e não vou. Se você terminar comigo, isso não muda mais o passado e não vai mudar o meu futuro com a Caty. Eu não vou começar a vê-la com outros olhos nem vou me apaixonar por ela.
-Talvez você consiga pensar melhor, vê-la de outra forma agora que você já sabe...
-Eu tive a minha vida toda pra isso, Demi. E eu te juro que isso não vai acontecer. A Caty precisa entender o que aconteceu, precisa aceitar isso que está acontecendo entre nós. E você precisa começar a pensar mais em você. Não estou falando que você precisa ser egoísta ou deixar de se preocupar com os outros, com a Caty. O que eu quero fazer você entender é que aconteceu. Não fui eu que escolhi, não foi você. E por mais que você tente, não dá pra tentar mudar isso. Não sofre mais, Demi, não me faz sofrer- ele pediu- Por favor.
-E o que a gente vai fazer quando ela aparecer aqui amanhã? Você acha que vai conseguir olhar nos olhos dela e fingir que isso aqui não está acontecendo?
-Eu acho que é a única forma. Mas eu não quero esconder isso dela, eu quero que ela saiba, só não exatamente agora. Uma hora ou outra a gente vai precisar assumir o que a gente fez. Só... esquece isso por enquanto- pediu- Eu acho que você já ocupou demais a sua cabeça com isso, com essas preocupações.
-Você está certo- ela assentiu, deitando a cabeça no ombro de Joe- Eu vou tentar.
-Você é a única que eu quero, Demi- ele sussurrou, aproximado seus rostos- Eu te amo, e eu faria qualquer coisa por você também. E eu nunca vou te deixar, não importa o que você tente fazer.
A menina sorriu e prendeu seus braços ao redor de Joe. Ele lhe deu um beijo no topo da cabeça dela e acariciou seus cabelos.
-Então ta tudo bem entre a gente?- ela perguntou.
-Eu deveria perguntar isso- ele sussurrou- Você me responde- pediu.
-Eu vou fazer de tudo pra que continue como está- ela levou seus lábios aos dele- Eu não vou cometer um erro desses. Eu te amo.
Continua...

Consegui escrever, thanks God! Gostaram, gente? Finalmente ela contou ao Joe... eu não sei se ficou muito bom, mas enfim... o próximo é bem... especial ;) Eu vou tentar escrever hoje e postar amanhã, mas não garanto. Obrigada por tudo e eu amo vocês <3
Ah, gente... só 4 comentários? :( poxa, assim eu fico triste :(
Comentem, por favoooor! *-*

Mil beijocas, 
Brubs \õ


21 de jun de 2013

Capítulo Dezessete!

-Hey, o que estão fazendo?- Joe perguntou, surgindo com uma garrada de água e alguns copos nas mãos.
-Nada, só descansando- Demi respondeu rapidamente.
-É, a Demi tava me contando porque ela veio morar aqui com você- Lucca deu a pior resposta do mundo. Ela não podia estar contando para ele agora o que demorou tanto tempo para contar à Joe.
-Sério Demi?!- ele perguntou, achando aquilo estranho- Surpreendente.
-Ér... vamos jogar!- ela disse, levantando-se e forçando um sorriso e uma animação muito falsa.
Sabe quando você percebe que não te querem por perto? Então... Joe percebeu. A menina estava distante, e de fato queria distância dele. Mas não esse tipo cruel de distância, apenas por uns minutos, o suficiente para que Lucca concluísse o que começara a dizer. Estava curiosa para saber o que ele tinha a lhe falar.
-Tá começando a ficar frio aqui fora- ela comentou- Vou pegar um casaco lá dentro.
Alguns minutos depois, muito pouco tempo mesmo, acho que segundos, Lucca deu a desculpa de que iria ao banheiro. Não havia desculpa pior. O que Joe pensaria?
-O que você está fazendo aqui? Cadê o Joe?- ela perguntou, confusa.
-Está lá fora, eu disse que viria ao banheiro.
-Você ficou maluco? O que o Joe vai pensar?
-Calma...
-Como calma? Você viu como ele estava?- ela suspirou nervosa- Eu vou voltar pra lá.
-Espera, eu não acabei o que eu tinha que te falar- ele disse rapidamente- A Caty pretende contar ao Joe no aniversário de vocês o que ela sente por ele- sussurrou- Ela vai aproveitar a oportunidade. Não sei se ela ia te contar isso, mas...
-Como assim? Ela resolveu isso assim, do nada?
-Bom, do nada não né.... porque tempo é o que não falta- riu sem humor- Ela comentou que agora que você está morando com ele, ela pode vir morar aqui também, ou morar junto com você, algo assim.
-Eu não acredito nisso... e agora, o que eu faço?
-Você ainda tem tempo pra pensar- ele disse- Agora é melhor voltar pra lá. Vai você primeiro, eu vou puxar papo com a minha segunda família- sorriu, indo em direção à sala.
Demi tentou forçar um sorriso e espantar essa ideia da cabeça. Inúmeras foram as vezes em que Demi tentou convencer a amiga de contar a ele. Caty dava muitas desculpas... a principal delas era a distância. Mas agora, pelo visto, ela tinha dado um jeito nisso, e por causa de Demi. Ótimo, ela tinha menos de um mês para resolver o que fazer da sua vida. Ela ia contar, de qualquer maneira. Porque se terminasse com Joe, Caty saberia do namoro de qualquer forma. Já era tarde para tentar mudar o que havia acontecido. Só precisava pensar se contava à Joe ou a melhor amiga antes.
-Cansou, é?- ela perguntou, se aproximando dele. Joe estava sentado na beira da piscina, bem perto de onde encontrara Demi e Lucca, mas estava encostado em uma árvore. Brincava com a bola de basquete fitando-a sem emoção alguma.
-Não é a coisa mais divertida do mundo jogar sozinho- deu de ombros, sem alterar sua expressão.
-Posso sentar com você?
-Claro- ele sussurrou.
Ela respirou fundo e pensou no que iria falar para ele. Decidiu que seria improviso.
-Joe...
-Eu pensei que não fossem amigos- ele a interrompeu.
-Nós não somos...próximos- a menina disse- Quase nunca nos falamos.
-Demi, eu acho que quanto mais vocês dois tentam explicar, mais enrolados ficam- ele deu de ombros.
-É porque não tem o que explicar- respondeu, receosa.
-Quer dizer que não tem nada acontecendo?!- ele questionou, duvidoso, como se soubesse a resposta- Se você me disser que não aconteceu nada, eu vou saber que está mentindo. Se disser que não pode me contar, aí sim eu vou saber que aconteceu.
-Você confia em mim? Mesmo se eu disser que você não precisa saber?- a menina perguntou, com raiva de si mesma por deixa-lo assim logo nesse momento, logo depois do que ele havia feito.
-Eu não vou dizer que não confio em você no primeiro dia de namoro- ele forçou um sorriso e segurou a mão dela, trazendo-a para perto.
-Ah, Joe, que droga- ela resmungou, deitando a cabeça no colo dele- Eu já comecei estragando tudo- disse. Quando o menino ia falar, ela continuou- Desculpa, tá?! Eu juro que...
-Ei, para por aí- pediu- Não é ciúmes... eu não sou ciumento- ele afirmou- Mas... eu só queria saber que podia confiar em você. Eu achei estranho vocês tentarem manter distância de mim pra conversar.
-Eu quero que você confie em mim- ela sussurrou.
-Demi, eu vou ser sincero com você, porque eu quero que você seja comigo- ele disse- Eu não acho que o nosso namoro vá ser baseado em confiança, não ainda. Isso a gente conquista. Por mais que eu confie em você, nada ainda é suficiente. Eu te pedi em namoro porque eu te amo. E eu acho que com o resto a gente se vira.
-Eu nem sei como te agradecer por isso- ela encarou o anel, sorrindo, e levantou sua cabeça dando-lhe um selinho, depois de suspirar e passar um bom tempo calada processando o que ele falara.
-No começo eu achei que você não fosse aceitar- confessou.
-Isso não passou pela minha cabeça nem um segundo- afirmou- Eu acho que era besteira adiar o inevitável, eu te amo- ela disse, encarando-o bem no fundo dos olhos, observando seu brilho sob a luz do luar.
-Eu também te amo.
-Tem alguma coisa que eu possa fazer pra você confiar mais em mim?- perguntou.
-Não se preocupa com isso, Demi, com o tempo as coisas vão se ajeitando.
-Ok...- ela assentiu meio desanimada.
-Tava pensando em ir a praia amanhã, que tal?
-Pode ser- deu de ombros.
Joe a encarou por um tempo e percebeu um brilho estranho em seus olhos. Por mais que continuassem lindos e atraentes, possuíam algo estranho. Aquele mesmo mistério que Joe conseguia observar fazia um tempo já. Um medo escondido, um pouco de aflição. Ele se perguntava a todo o momento a razão daquilo. Porque ela estava sempre tão apreensiva quando ficava parada, pensando sem rumo?
Então ele juntou suas mãos, carinhosamente e o ato fez com que a menina encarasse seus dedos entrelaçados, com um sorriso no rosto. Fechou os olhos para apreciar ainda mais o carinho que ele fazia. Era tão bom e fazia tanto tempo que ela não sentia algo parecido.
-Eu... tenho muito medo, Joe, de me entregar a um relacionamento- ela quebrou o silêncio. Deveria ser franca com ele também- Só que... eu sei que vai  ser diferente. Eu só quero que você saiba que não é fácil pra mim. Depois do Bred, é a primeira coisa nova que eu tento.
-Eu sei, pode ficar tranquila- ele garantiu- Eu não vou ser idiota a ponto de te perder. Eu nunca vou chegar nem perto de te tratar como ele fez. Nunca, pode ter certeza.
-E... eu queria que as coisas entre a gente mudassem um pouco...- ela sussurrou, um pouco receosa- Nós estamos juntos de verdade agora e... eu acho que tudo isso podia ficar mais... próximo- ela disse, para não dizer “íntimo”.
-Como você quiser- ele sorriu na direção dela, gostando do que ouvia. Entendera o que ela queria e esse era o sinal verde do qual precisava para avançar. Eram as primeiras horas de namoro, mas ainda tinha muito o que acontecer pela frente.
Demi sentou-se no colo no menino, colocando uma perna de cada lado do tronco dele. Joe permaneceu encostado na árvore, mas agora segurava a cintura dela com força. Trouxe seus lábios para perto dos dele e lhe deu um beijo intenso, muito diferente de todos os outros. Um beijo que lembrou-a daquele dia, na banheira, onde ela aceitou o fato de que o desejava mais do que qualquer coisa naquele momento. De que o queria.
Todos os toques calmos foram dando lugar a quentura e paixão. O menino desceu os beijos pelo pescoço dela, trazendo-a para mais perto.
-Pode ir com calma, tá? Eu juro que não vou fugir- ela brincou, segurando o rosto dele entre as mãos.
-Não importa como eu aja com você ou como eu te beije- ele disse- Eu sempre vou ter cuidado e calma, mesmo quando parecer que eu quero outra coisa- sorriu malicioso.

-Eu quero coisas novas.
Continua...

Gente, foi o que eu consegui escrever. Agora o que me falta mesmo é criatividade e inspiração. Ta complicado, e eu estou achando que está ficando pior a cada capítulo, sério mesmo e me desculpem, eu vou tentar melhorar :/
Obrigada e comentem! 
Beijocas,
Brubs <3

11 de jun de 2013

Resposta rápida!

P.S. LEIAM O CAPÍTULO 16 NO POST ABAIXO xoxo
Gente, vim aqui rapidinho porque eu vi o comentário da Lali e como ela me pediu uma coisa relacionada a uma fic, eu queria responder logo, caso ela queira começar e escrever e enfim... como eu não sabia quando seria o meu próximo post...
Lali, meu amor, você pode usar a ideia sim, claro! Agradeço os créditos e o fato de você querer se basear em algo que eu escrevi, fico feliz por isso :)
É isso, gente, beijooocas <3

Capítulo Dezesseis

-Eu acho que eles chegaram- Joe disse, sorrindo brevemente na direção da menina. Ele deu uma última olhada na panela antes de desligar o fogo e dar um selinho nela- Já sabe, só precisa ser você mesma.
-Espero que gostem de mim- ela resmungou, desviando o olhar.
-Impossível não gostar- garantiu- Vou abrir pra eles.
A menina assentiu e observou Joe passar por ela, na direção da porta que dava para o jardim. Joe logo chegou até a porta da garagem e um grande carro entrou, iluminando a escuridão.
-Pai, mãe, essa é a Demi- ele se aproximou, trazendo seus pais consigo na direção dela.
Demi abriu seu melhor sorriso e cumprimentou-os, educadamente, da forma mais calma que pôde.
-hum... eu já ouvi falarem muito de você- o pai de Joe disse, animadamente- Sou Paul, mas pode me chamar de tio.
-E eu Denise, tia- ela piscou- A Caty sempre falava sobre você, agora é o Joe- riu.
-Falamos bem de você, eu juro- o menino disse, abraçando-a de lado- Vocês vão amar o jantar que nós preparamos- afirmou- Só estou esperando o Lucca pra servir a mesa.
-A Demi também cozinha?- Denise questionou e Joe assentiu.
-Ela é boa- ele disse, entusiasmado.
-Aprovada- piscou na direção do filho, fazendo Demi corar e sorrir ao mesmo tempo.
-Minha mãe... gosta bastante de comida- ele explicou.
-Sim! Precisamos marcar um dia com a Caty- sugeriu- Vocês duas preparando um jantar especial para nós- brincou- O Joe pode dar uma ajudinha...
-Ela gosta de me dar trabalho- ele revirou os olhos.
-Mas então, Demi, como meu filho tem se comportado ultimamente?- Paul questionou, um pouco sério, enquanto sentava-se no sofá da sala para assistir televisão.
-Eu sou um santo, pai.
-Eu sei o santo que você é- ele respondeu irônico. Irônico demais.
-Até que ele está se saindo muito bem- Demi riu- Seu filho é fantástico- afirmou sincera.
-Viu?!- Joe sorriu na direção do pai, orgulhoso de si mesmo.
-Qualquer coisa você pode me procurar que eu ponho ele na linha- Denise afirmou e a menina concordou, ainda rindo.
-E aí segunda família- uma voz alta e animada surgia da escuridão- É melhor deixar o portão fechado da próxima vez- advertiu, entrando para dar um abraço em Joe.
-Fala ae Lucca- Joe sorriu enquanto eles faziam um cumprimento divertido- Lembra da Demi?- questionou depois que o irmão de Caty falou com Paul e Denise.
-Claro que sim- ele se aproximou- Faz bastante tempo que a gente não se vê- comentou- Minha irmã comentou um dia desses que você estava morando com o Joe. Eu disse que isso não daria certo- riu e Joe o acompanhou. Demi preferiu não falar nada, porque entendia do que se tratava.
Conversaram mais um pouco, porém o barulhinho que soou do forno avisava que o jantar estava de fato pronto. Joe e Demi foram os encarregados e preparam tudo, a mesa, os pratos, tudo mesmo, e Lucca se ofereceu para ajudar. Ele era bem legal, sempre fora, na verdade. Caty e o irmão eram com certeza os melhores amigos que Joe e Demi poderiam encontrar. Pena que tudo acontecia dentro de uma situação não muito legal.
Demi sentia que Joe se perguntava porque ela estava distante e o evitando. Ele achava estranho, porque não estavam perto de seus pais ou algo do tipo, apenas Lucca estava ali e no seu ponto de vista isso não era um problema. Mas ele não tinha ideia do problemão em que Demi se metera.
Provavelmente o irmão de Caty já havia percebido alguma coisa estranha no ar. Talvez o clima estranho que se formara, ou até mesmo o que realmente estava acontecendo entre os dois. Já havia sacado que de fato não tinha dado certo.
-Pode deixar que eu e a Demi damos conta agora- Joe afirmou, mandando Lucca se sentar com seus pais. Por sorte ele amava conversar com os pais de Joe e isso rendeu um tempinho para uma conversa.
-Acho melhor eu ir levando isso para não esfriar- disse a menina, desviando o olhar, receosa sobre a conversa que viria. E ela sabia que viria.
-O que ta acontecendo, Demi?- ele perguntou. Dava para perceber na sua voz que aquilo o incomodava e que exigia uma resposta. Talvez a paciência dele com a mudança repentina de comportamento dela não fosse durar para sempre.
O que ela menos queria era brigar com Joe, fazê-lo sentir como se ela não o quisesse ou algo assim. Seria o maior mal entendido do século e ela não permitiria que acontecesse.
-Eu só estou nervosa- ela confessou, e não era mentira- Eu te amo demais- se aproximou, lhe dando um selinho demorado- Eu nunca tive tanta certeza ao dizer isso para alguém, então não pensa que tem alguma coisa a ver com você, porque isso aqui é tudo o que eu mais quero- ela disse, deixando que seu coração guiasse cada palavrinha.
O menino sorriu, certo de que finalmente estavam prontos para dar o próximo passo. Também nunca estivera tão certo em sua vida de que era disso que precisava. Beijaram-se com paixão, amor mesmo, daquele forte e profundo. Verdadeiro.
Puxou-a contra si e acariciou suas costas enquanto a beijava carinhosamente, perdido no momento.
-Ei, vocês dois, a gente ta com fome- Lucca gritou e Demi se afastou rapidamente, assustada. Ainda estava com medo de que ele os visse, apesar de já ter certeza de que ele sabia muito bem o que estava acontecendo. Precisaria dar um jeito nisso depois.
Joe riu da reação exagerada dela e se apressou para dar-lhe um último selinho antes de pegar os pratos quentes.
-Eu te amo- sussurrou forçando um meigo sorriso na direção dela.
Sentaram-se um ao lado do outro, de frente para os pais do menino. Lucca estava ao lado de Joe e contava alguma piada bem engraçada quando o casal chegou. Paul e Denise definitivamente se divertiam com aquele menino. Era como um segundo filho para eles.
-Finalmente- e ele também tinha essa intimidade para falar o que bem quisesse, era isso o que os unia tanto- Achei que tinham morrido lá dentro. Tava bom lá?
-Ótimo- Joe resmungou, rindo da pergunta idiota.
Ótimo, pensou Demi. Agora não tinha mais o que tentar esconder.
-Então, Demi- Denise disse, com um sorriso que a acalmava- Como anda a vida em Nova York?
-Muito melhor do que eu imaginei- confessou, vendo Joe sorrir pelo canto dos olhos.
-Huuuuuum- foi tudo o que Lucca disse.
-Fico feliz, meu amor- ela disse- Eu falei com a sua mãe antes da mudança, ela comentou que estavam acontecendo algumas coisas...
-É passado, mãe- Joe interrompeu, percebendo que Demi não ficaria muito à vontade ao ter que responder a pergunta- Quem vive de passado é museu.
-Verdade, verdade- concordou- É muito bom ver que vocês dois estão se dando tão bem.
-E bota bem nisso- é, Lucca não tinha mais o que fazer mesmo.
-Você tem algum problema?- Demi perguntou de forma engraçada, curvando-se na direção do menino para enxerga-lo melhor. Todos gargalharam, inclusive ele.
-Aí, o que ta acontecendo entre vocês dois, hein?- ele ignorou a pergunta de Demi e questionou depois de um tempo rindo- Vocês estão juntos?
-Amo o Lucca porque ele tem a cara de pau de fazer as perguntas que eu não tenho- Paul disse- E depois ele que se entenda com o Joe- Denise completou, ainda com um sorriso carinhoso no rosto.
-Não estamos juntos...- Demi sussurrou, foi quase impossível compreender suas palavras. Ela não queria ser a primeira a falar, mas acabou saindo. Aquela mania que ela tinha de manter tudo dentro do controle quando já estava fora há muito tempo.
-Não ainda- Joe a surpreendeu, sorrindo confiante. Ela o encarou confusa e o menino se levantou da cadeira, ajoelhando-se ao lado dela.
Demi não entendia absolutamente nada. Durante alguns poucos segundos ela pôde perceber o sorriso no rosto dos pais de Joe e a cara de divertimento de Lucca, que prestava muita atenção em cada detalhe da cena.
-Demi...- ele disse, sorrindo- Você aceita namorar comigo?- perguntou, trazendo as mãos_ que antes estavam para trás_ até a frente de seu corpo, com uma caixinha vermelha de veludo.
A menina perdeu as palavras. Não sabia o que fazer nem para onde olhar. Seus olhos se encheram de lágrimas, quando deu conta eles já estavam molhados. Ela tentava pronunciar alguma coisa, um sim de preferência, mas era quase que impossível.
A essa altura, Joe já havia aberto a caixinha em suas mãos e lá dentro tinha um anel, muito delicado, com uma pedrinha de brilhante em cima. Era simplesmente a coisa mais linda que ela já tinha visto. A coisa mais carinhosa e meiga que já haviam feito por ela.
-Eu... é claro que eu aceito- ela disse certa, rindo brevemente entre as lágrimas. Não ligava mais para o que ninguém ia pensar. Não importava se ali, ao seu lado, estava o irmão da sua melhor amiga, vendo toda a cena, não importava a presença dos pais de Joe. Importava apenas o que acontecia ali entre eles dois. Isso sim era o importante.
O menino tinha um sorriso imenso em seu rosto, o mais lindo que Demi já havia visto. Não tinha explicação para o que sentia nesse exato momento. Era um misto de muitos sentimentos. Joe colocou delicadamente o anel no dedo dela, percebendo o quão lindo havia ficado. Demi, ainda tentando se recuperar, tentando buscar palavras, observou também sua mão.
-Eu não posso ficar com esse anel, Joe- ela disse, séria- Imagina quanto isso deve...
-Ei, não começa- ele pediu, secando as lágrimas dela- Recusar presente é falta de educação sabia? Você não quer ser mal educada na frente dos seus sogros, quer?- brincou e ela sorriu, abraçando-o com toda a força que podia- Eu te amo demais- ele sussurrou em seu ouvido.
Todos começaram a bater palmas. A algazarra causada por Lucca foi a maior, claro, mas deu um clima de festa ao acontecimento. Todos estavam felizes por eles dois, isso era fato.
-Eu também te amo, muito- ela disse, agarrada a ele- Obrigada.
Ele se afastou e lhe deu um beijo, calmamente, com muito amor. Dane-se o resto. Eram apenas eles ali, e mais ninguém.
-Acho que foi a cena mais linda que eu já presenciei- Denise disse, com lágrimas nos olhos.
Paul mostrava-se orgulhoso do filho, feliz por ele. Lucca estava radiante, sabia que tinha um dedo nisso.
-Viu?! Eu proporcionei a oportunidade pra que você fizesse o pedido, seu gay- ele bateu no ombro de Joe- Me agradeça, infeliz!
-Obrigada, Lucca- Joe gargalhou.
-Tadinha da Demi, ficou paralisada- ele comentou, rindo.
-Eu não sei ainda o que falar- ela sussurrou, sorridente- Ninguém nunca fez nada parecido pra mim- comentou- É a primeira vez.
-Você merece- Paul garantiu.
-Isso e muito mais- Joe completou.
Ela o abraçou novamente, sentindo os lábios dele no topo de sua cabeça.
~~~*~~~*~~~*~~~

-Anda, me passa- Joe pediu enquanto Demi pulava de um lado pro outro atrás da bola.
-Qual foi o jumento que deu essa ideia? Vocês dois contra mim?- ela questionou inconformada.
-Foi o seu namorado- Lucca disse rindo de como a menina respirava ofegante.
-Qual o seu problema, Joseph?
-Você disse que não queria que eu te deixasse de fora, não disse? Então, eu te coloquei no jogo- deu de ombros.
-Não, não, vocês estão me fazendo de bobinha, isso é basquete, meus queridos- ela respondeu irônica- Eu não tenho que ficar pulando pra pegar a bola.
-Tudo bem, você e eu contra o Lucca- Joe propôs.
-Beleza- ele concordou animado. É... Demi não era a melhor jogadora...
Além de Demi não jogar, ela ainda atrapalhava. Ficava no meio da quadra como uma barata tonta, pior que cego no meio de tiroteio.
-Joga, Demi!- Joe gritou, gargalhando dela.
-Você está me atrapalhando, Joe- ela disse.
-Tá, eu vou buscar uma água enquanto você ganha do Lucca- ele disse, saindo em direção a casa.
-Pronta?!- o menino riu dela.
-Escuta, eu preciso falar com você- ela disse, rapidamente- Aproveitando que o Joe não está aqui.
-Vish... não me mete na relação do casal não hein, pelo amor de Deus. O Joe já fez luta e eu prefiro não arriscar...
-Não- ela revirou os olhos- Não é exatamente isso.
-Ok, vem aqui- ele chamou a menina e ela o seguiu. Juntos, eles se sentaram na borda da piscina. Estava bem escuro, mas algumas luzes vindas da casa clareavam o lugar.
-Eu preciso te pedir uma coisa- começou- Não tem outro jeito, eu preciso ser sincera com você. Eu queria te pedir que não contasse à Caty que eu e o Joe estamos juntos.
-Bem que eu tava achando isso estranho...- ele riu sem humor- Eu tinha certeza que você sabia que a minha irmã é completamente apaixonada por ele- disse surpreendendo Demi.
-Você sabe?
-Ela me contou, há muito tempo- ele admitiu- O engraçado é que o Joe não tem ideia... eu ia tentar dar uma ajudinha... um empurrãozinho, mesmo que ela não quisesse... porque já faz bastante tempo. Mas aí eu vi vocês dois... preferi ficar quieto.
-Eu...
-Olha, eu entendo. Você se apaixonou pelo Joe. Entendo também porque não quer que a Caty saiba, mas você não vai conseguir esconder isso para sempre, Demi. Uma hora ou outra ela vai descobrir. E eu nem quero ver como vai ser- murmurou.
-Eu não sei o que fazer- Demi sussurrou- Eu já tentei de tudo, eu tentei odiar o Joe, evitar que isso acontecesse mas não dá, eu realmente me apaixonei por ele.
-Eu não vou contar para ela. Eu não acho isso legal, pra deixar claro, e eu não quero participar disso. Não estou dizendo que você errou ao se apaixonar, porque isso acontece sem a gente querer. O que eu estou dizendo é que é melhor parar de adiar o inevitável. Ela vai descobrir e quanto mais você esperar, pior.
-Eu queria contar, mas eu não sei como. Eu sinto como se estivesse traindo ela. E ainda tem essa festa que o Joe vai dar aqui a um mês... é como se fosse uma contagem regressiva...

-Tem uma coisa que você deveria saber... 
Continua...


heeeey guys! <3
Saudades de vocês, de conversar com vocês :( Eu queria responder aos comentários mas não tá dando :/ eu me sinto tão mal com isso... '-'
Então... eu escrevi_tentei_ um capítulo bem grandinho pra dar uma compensada... vamos ver quando sai o próximo ;)
Eu ia fazer eles brigando, ela ignorando ele, mas me deu a louca e agora eles estão namorando dxnmnkgh hihi em comemoração ao dias dos namorados \õ
By the way, quem aí vai passar o dia de amanhã sozinho em casa? aeee \õ bate ae galerinha solitária! E ah, não podemos esquecer do dia de hoje *-* Happy Niley Day para todos vocês que gostam de Niley, seja como amigos, namorados, sei lá hahaha
"eleven nights into June..."
Ah, MUITO<< obrigada pelos selinhos, todos eles!! De verdade! <3 Vou arrumar um tempo pra repassar! :D
É isso! :) Vamos comentar!! Amo vocês <3
Beijocas,
Brubs

4 de jun de 2013

Capítulo Quinze!

-Muito legal da parte dos seus pais deixarem a gente passar o dia aqui- a menina comentou, sorrindo.
-Eu amo essa casa- Joe disse, sentando-se na grande rede que ficava na varanda- Quase chorei quando saí daqui- riram juntos.
-Acredite, eu também choraria- piscou- Joe... porque você saiu de casa se amava tanto isso aqui?- perguntou curiosa.
-Além de o apartamento ser mais perto da faculdade, eu sempre gostei de me virar- deu de ombros- Na época eu tinha uma namorada... eu achava que era realmente sério então foi mais um motivo, ela passava a maior parte do tempo comigo e lá a gente conseguia a privacidade que eu não tinha aqui.
-E seus pais sabem que o senhor queria abusar da liberdade com as garotas?- questionou brincalhona.
-Realmente acho que confiam muito em mim- deu de ombros, sorrindo consigo mesmo- Eles querem te conhecer- disse, um pouco mais sério do que antes, encarando-a.
-Hoje?- ela questionou, o nervosismo invadia seu corpo.
-Meus pais não tem muito tempo livre- fez uma careta- À noite eles virão para o jantar... se você não se importar.
-Não, é claro que eu não me importo- ela suspirou, tentando forçar um sorriso. Isso definitivamente não estava nos planos dela.
-Vem aqui- ele chamou, puxando-a carinhosamente para o seu colo- Não é um jantar...formal. Quer dizer, meus pais são super malucos e legais, eles só querem conhecer a amiga da Caty. Não é como se eu estivesse apresentando minha namorada- afirmou. Ela assentiu, sem muito que dizer ou pensar- Não ainda- Joe sorriu, sussurrando no ouvido dela o que no fundo Demi queria ouvir.
-Ok, então acho que podemos fazer alguma coisa enquanto eles não chegam, certo?
-Passear por aí, que tal? A gente pode parar e comprar algumas coisas pra fazer o jantar- deu de ombros.
-Você vai cozinhar?- ela sorriu.
-Nós- o menino piscou e beijou a bochecha de Demi, levantando-se da rede e trazendo-a junto- Mas antes eu vou dar um pulo nessa piscina e você vem comigo.
Juntos, Joe e Demi saltaram de mãos dadas depois de uma breve corridinha até a borda da piscina. Não era o dia mais quente do ano, até porque o final da tarde já se aproximava e quando a noite caía o frio vinha junto, com muita força, mas a água era bem agradável. Ambos saíram debaixo d’água rindo e se aproximando mais. Demi secou seu rosto, jogando o cabelo molhado e liso para trás. Joe a encarava com um olhar carinhoso e um sorriso bobo no rosto. Mexeu em seu cabelo também, um gesto naturalmente sexy e puxou-a pela nuca.
Juntaram seus lábios intensamente.
-Eu acho que passaria a minha vida toda contigo- ela brincou, rindo- Não tem como ficar triste ou desanimada perto de você- afirmou como se fosse a coisa mais certa do mundo.
-Eu aceito a sua proposta.
-Imagina, poxa, ia ser legal!
-Vai ser legal, porque eu vou fazer você cumprir o que disse- ele sorriu- E mesmo que fique de saco cheio eu vou continuar te importunando.
-Promete?
-Está me mandando prometer que vou encher seu saco? – o.o
-Amarei ter você me importunando- garantiu.
-Então eu prometo.
-Muito bem, assim que eu gosto- u.u
-Hum, do que mais você gosta, senhorita?
-Porque você não me mostra o que você sabe fazer bem? Depois quem sabe eu posso te responder...- deu de ombros, aquele sorriso travesso brilhando em seu rosto.
-Sério?- ele questionou, segurando fortemente a cintura dela.
Demi soltou uma gargalhada e depois assentiu, enroscando suas mãos no cabelo do menino. Joe balançou a cabeça em reprovação, mas seu sorriso sedutor o entregava, mostrava como ele estava amando aquilo. Começou beijando o pescoço de Demi, seus lábios molhados em contato com a pele gelada dela.
Não, não iriam além daquilo, mas não deixariam de aproveitar.
Tudo que eles faziam tinha um toque suave e calmo, mas mesmo assim intenso demais. Joe amava poder senti-la, mesmo que apenas desse jeito, e Demi mal conseguia controlar seu coração, que palpitava sem parar a cada toque.
-Acho que vou demorar para ter a sua resposta.
-Eu sou bom em muitas coisas, realmente deve ser difícil escolher.
Riram juntos e seus lábios se tocaram por entre as risadas abafadas. Com seu polegar, Joe acariciou o rosto da menina, delicadamente. Encarou-a bem dentro de seus olhos e pôde perceber como brilhavam. Seus lábios pareciam um pouco trêmulos, provavelmente por causa do frio, e se encontravam entreabertos, dando um aspecto mais sexy.
Joe mordeu o lábio inferior dela, fazendo-a fechar os olhos enquanto sentia seu corpo estremecer. Definitivamente o menino causava a ela sensações completamente novas. Não tinha haver com falta de experiência, a menina havia... passado por muita coisa, diversas situações, mas Joe conseguia fazer tudo diferente. Com certeza ele era bem diferente de todos, proporcionava a ela coisas novas a cada segundo. A cada beijo ele provava ser o melhor.
-Gosto quando me beija- ela sussurrou.
-Te dou um beijo daqueles se você adivinhar o que eu sempre tive vontade de fazer- ele propôs sorridente.
-Pular em queda livre?
-Não- ele negou o.o- Porque? Tenho cara de quem quer pular em queda livre?
-Você tem cara de maluco- ambos riram- Diz, o que é?
-Parece bobo, mas eu sempre quis beijar alguém debaixo d’água- ele confessou.
-Sério?- a menina gargalhou.
-Ah, para, até parece que você nunca teve vontade de fazer alguma coisa- ¬¬
-Sim, eu tive, mas é que foi engraçado_ hehe_ E porque nunca fez isso com nenhuma namorada ou sei lá?
-Elas eram muito frescas- deu de ombros- Sério, eu tive uma namorada que não entrava na piscina comigo por nada nesse mundo. Nunca entendi aquela menina.
-Ta de brincadeira?!
-Seríssimo. Vou tirar um dia pra te contar pelo que eu já passei com as garotas, você vai se divertir- afirmou.
-Ah, mas vou mesmo- riu-Bom, eu não sou fresca- ela sorriu- Preparado?
-Eu nasci pronto, meu amor- brincou, afastando-se dela.
Depois de sorrirem juntos, ambos prenderam a respiração e afundaram na água. De olhos abertos, eles se aproximaram e rapidamente Joe segurou o rosto dela, juntando seus lábios em um selinho calmo.
-Que divertido- ela comentou empolgada- O melhor beijo submerso que eu já dei- \Õ- Repito, amo os seus beijos.
-Eu amo tudo que você faz- o garoto afirmou, voltando seus lábios para os dela.
Ela jogou seus braços ao redor do pescoço dele, e de uma hora para a outra, ele se deu conta de que não podia continuar a tocá-la dessa forma, beija-la, senti-la... ou seria tarde demais. Os amassos já estavam sendo prolongados por um logo tempo e ele sentia necessidade de mais, porém entendia o que ela sentia. Demi não estava muito ciente de tudo, ela apenas deixava que ele a guiasse, suspirava a cada beijo e toque, a cada sorriso.
-Daqui a pouco não vamos mais ter tempo para o passeio- ele lembrou, sorrindo carinhosamente na direção dela. Suas testas permaneceram unidas enquanto ambos tentavam recuperar as respirações.
-Também acho melhor sairmos- ela afirmou, desviando o olhar e sorrindo como ele.
O menino tirou uma mexa de cabelo que caía pelo rosto dela, o que a fez olhar para ele. Logo Joe a abraçou carinhosamente, aquele gostoso abraço de urso.
-Te amo, tá?
-Eu te amo também- apertou-o com força.
Joe segurou a mão dela e a levou para a escada. Ele saiu primeiro, com certa dificuldade, já que peno molhado não é nem um pouco leve.
-Ei, da pra me ajudar?- ela questionou, ironicamente.
-Mas eu estou te ajudando!- o.o
-Não está funcionando- respondeu- Essa roupa pesa- fez careta.
Finalmente, depois de algum esforço, ele conseguiu puxá-la. Segundos depois agradeceu mentalmente por ter tido essa brilhante ideia de piscina. Agradeceu por ela estar na frente dele com uma blusa que antes era branca e agora transparente, e por usar um sutiã bem... chamativo.
-Perdeu alguma coisa em mim?- ela brincou, sentindo o olhar de Joe sobre ela.
-Só queria dizer que amei sua roupa- ele deu de ombros, sorrindo malicioso.
-Mas que... – ela abriu a boca para falar alguma coisa, mas acabou por virar as costas- Vou tomar meu banho, Joseph!- balançou a cabeça e entrou na casa, enquanto ele ria.
~~~~***~~~***~~~~
-Joe, eu...- ela entrou no quarto, distraída com o batom em suas mãos- Ops, desculpa!- pediu envergonhada, vendo-o apenas com uma calça, indo em direção à cama. Sim, todos aqueles músculos de fora, à mostra para quem quisesse ver. Para Demi- Eu volto depois- avisou, dando meia volta.
-Não, relaxa- ele pediu, tranquilamente- O que foi?
-Nada, eu só queria meu casaco- ela disse, apontando para o objeto, perto de Joe.
Ele fez um movimento para que ela pegasse o casaco quando percebeu que a menina continuava parada encarando-o. Ela sacudiu a cabeça e ele riu discretamente. Ela era... meiga demais. Tão diferente do que ele havia imaginado no começo. Tão melhor.
-Já pensou no que faremos para o jantar?- ele perguntou, vestindo a camisa.
-Não tenho ideia, eu sou só um par de mãos a mais- ela deu de ombros- Bom, estou te esperando lá fora- disse, enquanto cruzava os braços, pronta para sair do quarto.
-Demi, espera- ele pediu, sentando-se na cama- Porque... você age assim comigo? Como se... sei lá, se sentisse desconfortável?
-Mas eu não faço isso- a menina respondeu, confusa.
-Tudo bem, não sempre, mas agora sim- afirmou- Senta aqui- pediu, chamando-a para perto.
-Eu não sei- ela suspirou, sentando-se no colo dele.
-Você confia em mim?- Joe perguntou- Mas confiar mesmo? Em relação a tudo?
-Demais- garantiu.
Ele sorriu e depositou um beijo calmo no canto de seus lábios.
-Posso te perguntar uma coisa, Demi?- ele questionou sério. Ela assentiu- Você já me disse que não é mais virgem- lembrou-se- Eu posso te perguntar porque você acha que não é o momento certo ainda?
-Não é a pergunta mais legal pra se responder- ela suspirou.
-Você não precisa. Eu disse aquele dia que entendia e é verdade. Eu só... queria saber se  existe alguma coisa que eu pudesse fazer pra tentar... não sei.
-Só quero saber se isso realmente vai dar certo... eu não quero me decepcionar, Joe. Viver um momento importante na minha vida pra depois ter que esquecer ou fingir que não aconteceu- admitiu.
-Existe algum motivo pelo qual não daria certo?- perguntou amigavelmente.
-Nunca se sabe- deu de ombros.
-Eu não posso negar que na minha opinião isso daria certo sim- disse- Mas eu não posso tentar se você não pensar do mesmo jeito- o menino respirou fundo, levantando-se- Tudo bem, esquece isso- pediu, roubando um selinho dela- Vamos?
-Não era isso que eu queria que acontecesse. Não era o que eu queria que pensasse.
-Não aconteceu nada e eu não pensei nada- afirmou- Mas é bem difícil te entender.
-Eu estou muito confusa- sussurrou.
-Se você continuar pensando tanto realmente nunca vai encontrar uma solução.
-Me da mais um tempo- pediu.
-Quanto você quiser- garantiu- Não fica chateada comigo- o menino pediu, segurando as mãos dela.
-Eu não estou- afirmou com um sorriso.
~~~~~*~~~*~~~~~
-Quando eu era pequeno eu vinha aqui a noite, bem tarde mesmo, quando todo mundo resolvia andar, e ficava sentado num cantinho esperando os garotos mais velhos descerem a rua pra jogar basquete- Joe comentou, encarando o céu escuro.
-Você tem essa paixão desde pequeno?
-Aham- assentiu- O meu melhor amigo era dois anos mais velho do que eu e jogava com uma outra galera, eu só fui junto.
-Ainda se falam?- questionou.
-Você não tem ideia de quem seja?- perguntou, divertido. Era engraçado como eles não se conheciam, e ficavam mais certos disso a cada segundo -Bom, é o irmão da Caty- sorriu- A gente ainda se fala bastante hoje, ele sempre vem aqui quando pode... você conhece ele?
-Mais ou menos... ele não mora em Los Angeles- disse- Já o vi algumas vezes.
-Ele mora aqui pertinho, só que fica meio ocupado com o trabalho. Porém, eu consegui fazer ele vi hoje aqui, jogar um pouco comigo- sorriu travesso.
-O irmão da Caty está vindo encontrar com a gente?- ela ergueu a sobrancelha.
-Na verdade ele vai jantar lá em casa- deu de ombros- Vai ser maneiro.
-Você não vai me deixar sozinha com os seus pais enquanto joga com ele, né?!- a menina o fuzilou com os olhos. Pensaria depois no que faria em relação a isso. Se o irmão de Caty_que se chamava Lucca pelo que ela lembrava_ resolvesse contar à menina que Demi e Joe estavam... ficando, já era.
-Claro que não, prometo- beijou o topo da testa dela, abraçando-a de lado.
-Acho bom- u.u – Olha que eu conto pra eles o que você apronta naquele apartamento, hein.
-E posso saber o que eu apronto?
-Muitas coisas passam pela minha cabeça. Duvido que eles não acreditem em mim- riu.
-Você não faria isso...
-Me deixe sozinha com eles e você verá- piscou- Brincadeira, eu não sou tão do mal assim, mas não se atreva, Joseph.
-Ok, ok.
“É só eu não beijar o Joe nem demonstrar muito afeto enquanto o Lucca estiver por perto. Calma Demi, vai ser fácil.” Era o que ela repetia para si mesma a cada segundo. Estava cada vez mais difícil fugir daquela situação.

 Continua...
Desculpem pela demora, mas eu já expliquei meus motivos e repito: não sei quando vem o próximo. Independente disso, espero que tenham gostado ;) Eu tentei fazer bem grandinho para compensar! \õ
Comentem bastante, ok? Por favoooor :3
Obrigada, amores!

Mil beijos,
Brubs <3

2 de jun de 2013

Do You Remember- Chapter 19 (parte 1)

Gente, eu não sei o que aconteceu, mas o capítulo 19 (parte  1) de "Do You Remember" simplesmente sumiu. Eu tinha percebido a um tempo que alguma postagem tinha sumido, mas não sabia qual e uma leitora (alinebsantana) deixou um comentário perguntando por ele. Então eu estou postando aqui! Me desculpem, mas eu nem sei o que aconteceu e não sei se existe um jeito de colocar essa postagem no lugar correto dela... bom, por enquanto, fica aqui mesmo. Deixando claro que me dói postar isso aqui hahaha porque eu não gosto de como eu escrevi essa história. Mas como algumas pessoas querem ler, eu não posso deixar sem uma parte. É isso ;)

Chapter 19 (parte 1)
Joe on:
Eu não acreditava no que Demi dizia. Ela acreditaria em Logan?  No começo eu não entendia muito bem, mas depois tudo ficou mais claro na minha cabeça. Logan sempre gostou de Demi. Mas não era 'amor' era tipo... "pegar e jogar fora" e eu sabia disso. Já chegamos a brigar feio por Demi, mas paramos de nos falar quando eu soube quais eram suas intenções com ela. Agora ele estava tentando colocar Demi contra mim. Ele não podia conseguir, não agora, depois de tudo o que aconteceu.
-Não, não Joe. Eu... - ela chorava muito, sentada no sofá, com o rosto entre as mãos- Me desculpa, por favor. Eu... Eu fui uma idiota. Eu não queria dizer isso.. Eu acredito em você, por favor me perdoa- ela estava desesperada. Eu não podia fingir que tinha ficado muito desapontado com Demi, mas eu a amava.
-Ér.. Ta tudo bem, Demi. Vamos esquecer isso, ta bem?- perguntei, a abraçando. Ela concordou.
O resto da semana foi triste pra mim, mas parecia que para Demi, as coisas nunca foram tão boas. Ela havia ficado quase todos os dias conversando com Logan. Ele não tinha segundas intenções... Ainda. Eu havia ficado muito triste com ela, me sentia mal por não tê-la por perto como antes e por ela não ser mais tão... Minha. Demi parecia se divertir muito com ele, até mais do que comigo. Mas eu não iria falar nem fazer nada, deixaria Demi ser feliz, mesmo que  fosse sem mim.
Era domingo, dia da festa de Zac e como havia prometido a Vanessa, não contei nada a ninguém, Demi também não pareceu querer saber. Não estávamos tão bem, mal parecíamos namorados. Demi passara muito tempo com Logan, que agora conversava com ela na sala. Eu já estava ficando incomodado com essa proximidade. Terminei de me arrumar e desci. Ele já havia ido embora e Demi já me esperava dentro do carro.
Entrei no carro em silêncio, Demi não falava nada durante todo o caminho. Decidi que era a hora de descobrir o que havia de errado.
-Demi, o que ta acontecendo?- perguntei. A casa de Zac era um pouco longe. Teríamos algum tempo para conversar.
-Como assim?- ela perguntou, se fazendo de desentendida. Claro que sabia do que eu estava falando.
-Demi, você não desgruda do Logan, fica com ele mais tempo do que comigo. Quase não nos falamos mais- ela me olhava, espantada- Por que ta fazendo isso? Agora é amiga desse cara?- perguntei.
-Qual é o problema, Joe? - ela falava em um tom de voz mais alto- Logan é meu amigo. E por sinal um grande amigo- ela parecia irritada.
-Eu só quero saber por que está sempre com ele, o que viu naquele cara?- perguntei. Eu realmente não sabia.
-Vai começar com a crise de ciúmes agora? Pra sua informação, você começou com tudo isso- eu não entendi o que ela queria dizer com isso. Demi gritava, já estávamos quase chegando na festa e eu achava que era melhor deixar isso pra depois.
-Demi para de gritar- eu disse- Como assim 'eu comecei com tudo isso'?
-Você ficava de segredinho com a Vanessa, se encontrava com ela toda hora. E nem por isso eu dei um escândalo que nem você.
-Escândalo, Demi? Eu só perguntei o que tava acontecendo. Eu e a Vanessa só...
-Eu não quero saber o que estavam fazendo- ela me interrompeu- Prefiro não saber. Pode aproveitar com a sua amiguinha. Se você acha que eu não sou boa o suficiente para "Joseph Jonas", tenho quem ache- eu não acreditava nisso.
- O que deu em você? Ta maluca, Demi?- ela suspirou fundo, já havíamos chegado- Deixa isso pra depois ta? Não é assunto pra agora.
-Você começou- ela disse dando um sorriso sínico.
-Vamos aproveitar a festa- eu disse ignorando o que ela dizia, saindo do carro.
Entramos e tudo ainda estava apagado, Zac ainda não tinha chegado. Logan já estava lá, e quando chegamos, foi correndo falar com Demi. Vanessa veio até mim, dizer que Zac estava a caminho. Quando chegou, fizemos a surpresa e a música começou a tocar.
Avistei Demi sentada em uma mesa, junto com Logan. Ela ria e sorria o tempo todo. Eu não estava mais suportando aquilo. Saí a procura de Liam, o encontrei conversando com Miley.
-E aí, Joe!- Liam disse, fazendo um perto de mão comigo- Ta com uma cara em.
-É mesmo, Joe- Miley completou. Estava tão visível assim? - O que aconteceu?
Contei tudo a eles. Miley se ofereceu para falar com Demi, mas eu preferi deixar como estava, não queria piorar a noite. Pelo menos ela estava se divertindo.
A música foi ficando lenta e eu me lembrei da festa de Liam, quando dancei com Demi. Fui caminhando até a mesa, Logan ainda estava lá. Me aproximei deles.
-Ér.. Desculpa atrapalhar mas... Demi, quer dançar comigo? - eu pedi, inocentemente.
-Desculpa, Joe. Mas ela dançará comigo essa noite- Logan respondeu por Demi, o que me deixou com muita raiva. Eu imaginava que ela fosse recusar, mas fez uma cara surpresa e se levantou, dando a mão a Logan. Era o fim, eu não podia mais aguentar.
Saí dali a procura de Liam, a festa já estava quase no fim, algumas pessoas já iam embora. Eu não conseguiria ver Demi com outro cara, ainda por cima sendo o Logan.
-Joe, você não sabe o que ta fazendo! Vai pra casa, esfria a cabeça, por favor, Joe, não faça isso- Liam pedia, enquanto eu saia andando em direção ao carro.
-Desista Liam, você não vai me fazer desistir. Eu não posso mais continuar assim, não vou suportar perder a Demi- eu disse, encostado no carro.
-Mas você também vai perdê-la se fizer isso! Escuta, Joe! Você vai se arrepender, desiste dessa ideia, por favor. Conversa com a Demi, vocês se amam- ele insistia.
-EU a amo, Liam. Já não sei se posso dizer o mesmo dela- eu dei um abraço em Liam- Vou sentir a sua falta, parceiro.
-Eu também, Joe- ele disse. E então eu entrei no carro e dei a partida.

Eu sabia que poderia me arrepender, mas teria que correr o risco. Iria doer mais perder Demi para Logan. Eu não podia pensar muito, devia agir. Eu a amava, e por isso deixaria Demi ser feliz.

Prontinho! Obrigada à leitora que percebeu a falta do capítulo! Beijos, amor! <3